Uma batalha inesquecível

Por Gustavo Pereira

A trajetória recente do Brasil é recheada de grandes feitos, ano após ano. E hoje, segunda-feira (17), uma dessas conquistas completa seu primeiro aniversário. Há exatos 366 dias, o esquadrão rubro-negro encarou, além do forte time do Fortaleza, uma arena de Copa do Mundo lotada na luta por uma vaga entre os 40 principais clubes do país. E deu tudo certo.

Na chegada da delegação em Pelotas, a cidade parou para recepcionar os guerreiros rubro-negros. Foto: DVG
Na chegada da delegação em Pelotas, a cidade parou para recepcionar os guerreiros rubro-negros. Foto: DVG

Durante 90 minutos marcados por extrema tensão, os comandados de Rogério Zimmermann atuaram de maneira irrepreensível e frearam o ímpeto cearense. Quando os guerreiros Xavantes permitiam rara brecha na defesa, Eduardo Martini aparecia, operando milagres para manter o placar zerado e garantir a festa vermelha e preta. Um dos lugares na Série B 2016 era do Brasil!

No momento em que o árbitro Marcelo Aparecido apitou o final de jogo, as ruas de Pelotas foram, quase instantaneamente, tomadas pela Maior e Mais Fiel. No dia seguinte, uma apoteose ainda maior para receber os guerreiros desde a entrada da cidade até o estádio Bento Freitas. Graças àquele 17 de outubro, o destino rubro-negro foi definitivamente transformado. Para a história.

Relembre a ficha técnica do memorável confronto no Castelão:

Fortaleza: Ricardo Berna; Tinga, Lima, Adalberto e Thallyson (Elias, 37/2ºT); Auremir (Pio, 20/2ºT), Corrêa, Daniel Sobralense e Everton; Maranhão (Ricardo Jesus, 31/2ºT); Lúcio Maranhão. Técnico: Marcelo Chamusca.

Brasil: Eduardo Martini; Wender, Leandro Camilo, Teco e Xaro; Leandro Leite, Washington, Felipe Garcia (Gustavo Papa, 37/2ºT), Diogo Oliveira e Cléverson (Galiardo, 21/2ºT); Nena (Cirilo, 45/2ºT). Técnico: Rogério Zimmermann. 

Cartões amarelos: Daniel Sobralense e Maranhão (F); Eduardo Martini, Wender, Xaro e Leandro Leite (B).

Cartão vermelho: Xaro (B).