106 anos de paixão

Por Jonathan Silva

Quando a charanga toca, não há um coração rubro-negro que deixe de bater mais forte. Quando a rede do Bento Freitas balança, não há garganta que não se acabe de gritar. Quando o Brasil entra em campo, não há um torcedor sequer que não se emocione. 7 de setembro de 1911, nasci uma instituição. Os anos se passaram, mais precisamente 106 anos, e o clube se transformou em uma paixão de milhares de pessoas. Suas cores traduzem o nosso sangue e a nossa raça. Não é apenas um clube, é uma religião, seguida fielmente por uma Maior e Mais Fiel incomparável, apaixonada e gigante.

Quis a data coincidir com a independência do Brasil. Se o país se libertou de Portugal, o 7 de setembro marca, também, outro feito histórico. O Brasil do Caldeirão. O Brasil do sofrimento. O Brasil da alegria. O Brasil da emoção. O verdadeiro Brasil da Maior e Mais Fiel.

No estrangeiro, Brasil, tu mostrastes o valor de ser bem brasileiro. A excursão pelas Américas marcou a nossa história. A vitória sobre o Uruguai, campeão mundial em 1950, fez com o Brasil, de Pelotas, fosse o único Brasil capaz de parar aquela seleção. Sem esquecer um dos mais importantes títulos: o primeiro campeão gaúcho. Em campeonatos nacionais tu és, Brasil, inigualável em Pelotas. Terceiro colocado da Série A em 1985, vice campeão da Série D em 2014.

Com seu passado de glórias​, nestes 106 anos, o Brasil vive seu período mais promissor. Em pleno desenvolvimento, dentro e fora de campo, reconstruindo seu Caldeirão, na Série B do Brasileiro, na elite do futebol gaúcho. Parabéns, Brasil. Parabéns, Maior e Mais Fiel, vamos, juntos, construir novos 106 anos. Avante!